Confira a programação da 7ª Mostra Curta Audiovisual de Campinas!

mostraDe 14 a 22 de Novembro acontece a sétima edição da Mostra Curta Audiovisual de Campinas/SP que irá contar com exibições de curtas, oficinas e palestras.

Sobre as sessões:

As exibições estão divididas em: Sessão de Abertura; Sessões Oficiais, seis sessões com uma seleção de curtas inscritos, duas sessões do Cineminha, a Sessão na Praça, que será realizada no Largo do Rosário, a Sessão com acessibilidade e a já tradicional Sessão Juri-Pop, com os curtas mais bem votados pelo público.
Para encerrar o evento teremos uma confraternização na Galeria Sede, com projeções dos curtas produzidos nas oficinas e exposição.

O Cineminha é uma sessão voltada ao público infanto-juvenil, com produção e curadoria do Ideia Coletiva.
Repetindo a experiência da edição de 2008 a Mostra vai pro Largo do Rosário, realizando uma sessão especial ao ar livre, a Sessão na Praça

As Sessões Oficiais são batizadas com nomes dos antigos cinemas de rua de Campinas e são compostas por curtas de variados estilos e linguagens, compreendendo ficção, documentário e animação, realizados em dez diferentes estados brasileiros. O público dessas sessões recebe fichas para votar nos preferidos, que ao final formam a Sessão Juri Pop.

programaçãoOficinas e Palestras:

Para fomentar a produção regional e promover o diálogo entre realizadores e o público, a Mostra inclui também uma programação com atividades paralelas. Quatro oficinas práticas serão oferecidas: Desenho Animado, oferecida pelo Núcleo de cinema e animação de Campinas nos dias 14 e 15/11, Documentário Expresso
realizada pela Ideia Coletiva nos dias 14/11 e 15/11 , Direção de Arte para cinema ministrada pela SkenoFX nos dias 20 e 21/11 e a Práticas da Produção de Vídeo, ministrada pela Capuccino Produções dos dias 19 a 21/11.

Além das oficinas, a Mostra promoverá, nos dias 16 e 17/11, sempre às 14h, palestras relacionadas ao audiovisual. Os temas destas palestras serão Roteiro Cinematográfico: O limiar do texto técnico e criativo, ministrada pelo graduado em Cinema pela UFSC Bruno Nucci e O Cinema e suas histórias, mediada pelo produtor cultural Tarcísio Vecchini.

Para maiores informações: www.mostracurta.art.br

Good Coffee!

“Punk Roça: Música e Conflito no Interior” no Youtube (Entrevistamos Talita Bristotti e Bárbara Bretanha)

Foi disponibilizado hoje (13/01) via Youtube o documentário ”Punk Roça: Música e Conflito no Interior” de Bárbara Bretanha, Bruno Henrique Teixeira e Talita Bristotti exibido na última quinta-feira (10/01) no MIS (Museu de Imagem e Som de Campinas/SP).

Punk Roça_Carlos Lozano

Confira aqui o vídeo na integra e uma breve entrevista que realizamos com Talita Bristotti e Bárbara Bretanha.

Como surgiu a ideia de produzir um documentário sobre o movimento punk local?

O projeto surgiu aos 45′ do segundo tempo, já que o trabalho foi desenvolvido como nosso trabalho de conclusão de curso da Faculdade de Jornalismo da PUC-Campinas. Nossos projetos iniciais haviam sido rejeitados pela banca examinadora da faculdade e precisávamos pensar em alguma coisa (e rápido). A ideia surgiu da Talita, que já tinha algum contato com a cena local, e também da nossa curiosidade em descobrir mais sobre um assunto pelo qual temos afinidade.

Conte um pouco sobre o processo de pesquisa para a produção do vídeo. Encontraram certa dificuldade ou resistência para colher as informações?

Uma das maiores dificuldades que encontramos para a realização do vídeo foi durante o processo de pesquisa. Embora todos os entrevistados e as outras fontes consultadas tenham sido extremamente prestativos, foi difícil, num primeiro momento, encontrar pessoas que participaram do início da cena. Nós queríamos ilustrar cada “era” do movimento através de uma banda, mas penamos até encontrarmos a banda de 80 e confirmar que a cena tinha realmente se consolidado nesse período.

Aconteceu alguma história inusitada durante a produção que vocês possam nos contar?

O primeiro dia de filmagens foi um desastre: nós (Barbara e Talita) rodamos por horas nos arredores de Valinhos, em busca de um sítio onde estava rolando um festival. O mapa apontava uma rua sem saída, no fim de uma estrada de terra deserta. Já desesperadas, saímos do carro para pedir direções e a Bárbara quase pisou num bicho morto, estendido na frente do único lugar habitado que havíamos avistado: um casebre mequetrefe. Um fulano desconfiado e seminu saiu para atender e lembro de ter me virado para a Talita e dito: é hoje que morremos. Sobrevivemos, mas não encontramos o lugar (risos)! Histórias não faltam, na verdade. Cada dia de filmagem teve algo engraçado e marcante.

Assista aqui na integra

Em relação a parte técnica do filme, como foi todo o processo de captação produção e edição do material?

As filmagens foram feitas principalmente com o apoio dos cinegrafistas do Laboratório de Imagem e Som da PUC-Campinas, onde também foi realizada a edição (pelo grande Diohny Andrade!). Também usamos uma câmera própria para os shows noturnos e entrevistas em outras cidades, caso do Leptospirose. Captamos aproximadamente 10 horas de material bruto que foi posteriormente (e dolorosamente) decupado para depois montarmos o roteiro. A edição foi feita ao longo de 28 horas, em duas semanas.

Para vocês, quais bandas independentes se destacam hoje na cidade?

Pode até parecer “puxa-saquísmo” (já que a maioria foi usada no doc), mas não podemos deixar de citar o Leptospirose, Drákula, AQUëLES, The Violentures e Thriven. Eu (Talita) sou meio saudosista em relação às bandas de Campinas. Ouço até hoje Dona HxCélia e Trastrio – quando elas existiam eu sempre dava um jeito de ir aos shows. Com o documentário, conheci mais a fundo o Coice de Mula, que também é sensacional!

Como vocês veem a cena local atualmente em relação a estrutura de shows e festivais?

Se têm uma coisa que pudemos observar ao longo do trabalho de montagem do documentário foi que, em Campinas e arredores, existem muitas bandas independentes produzindo trabalho autoral e de qualidade e que não recebem, talvez, reconhecimento do grande público, devido a falta de uma infraestrutura adequada; não só para a realização de shows, divulgação e distribuição. Falta interesse de produtores culturais e de apoio do público, falta espaço adequado… Existe uma lacuna muito grande e que dificulta o trabalho dessas bandas.

punkroça

Quais são os próximos projetos em vista?

Há a possibilidade de ampliarmos o documentário agora que não temos mais o limite de tempo ditado pela faculdade – conseguimos um muito material interessante e temos vontade de disponibilizar pra galera. Também pretendemos realizar outros projetos na área, tanto musical quanto documental – mas isso ainda são ideias. Vamos tirar umas férias antes de concretizá-las

Espaço para vocês falarem o que quiserem.

Já fizemos isso diversas vezes, mas nunca é o bastante: gostaríamos de agradecer ao pessoal que nos apoiou durante a produção do documentário. Aos entrevistados, colaboradores e pessoas que nos ajudaram a encontrar isso ou aquilo, mas não apareceram na frente da câmera. A você, Zazá, por todo material em vídeo disponibilizado gratuitamente pra gente. Deu um puta trabalho fazer o documentário, mas é gratificante vê-lo pronto e ver que o pessoal gostou!

(Saiba mais sobre “Punk Roça: Música e Conflito no Interior” aqui)

Good Coffee!

Documentários já produzidos sobre o rock de Campinas/SP

Confira abaixo a lista de alguns documentários independentes já produzidos sobre a cena rock da cidade de Campinas/SP nos últimos anos.

autorock

Autorock – Registro 2009

O documentário de 30 min produzido por Guilherme Angeli e Héctor “Zazá” Vega é um breve registro do que foi a quinta edição do tradicional festival de música independente: “Autorock”. (Saiba mais)

Independência e Rock

Documentário produzido por Gabriella Puzzilli e Mirelli Miranda apresenta algumas vertentes da cena musical independente de Campinas.

Campinas Clama: O que aconteceu com meu rock n´roll?

“Campinas Clama” apesenta o “rock independente de uma cidade provinciana” e  conta com imagens de Rafael Martins entre outros colaboradores.

Rock Campinas – Guitarras e Distorção na terra de Carlos Gomes

Vídeo desenvolvido por alunos da oficina “Como se faz um filme” do Museu de Imagem e Som de Campinas/SP. O documentário na integra nunca foi publicado.

Autorock – Sexta Edição

“Autorock – Sexta Edição” é um registro completo, produzido e dirigido por Artie Oliveira, sobre a edição de 2011 do festival “Autorock”. (Saiba mais)

Rock em Campinas – Anos 80 e 90

O documentário publicado em duas partes é resultado do projeto experimental produzido por Paulo Shetara para o curso de Comunicação Social/Jornalismo da Unip Campinas no ano de 2009.

Punk Roça: Música e Conflito no Interior

O documentário produzido por Bárbara Bretanha, Bruno Henrique Teixeira e Talita Bristotti reúne depoimentos de três gerações de punks da região de Campinas, que falam sobre a articulação do movimento na região e suas particularidades. (Saiba mais)

Good Coffee!

Documentário “Punk Roça: Música e Conflito no Interior”

No próximo dia 10/01, quinta-feira, o documentário “Punk Roça: Música e Conflito no Interior” será exibido no Museu de Imagem e Som (MIS) de Campinas (SP).

capa

Produzido pelos jornalistas Bárbara Bretanha, Bruno Henrique Teixeira e Talita Bristotti, o filme reúne depoimentos de três gerações de punks locais, que falam sobre a articulação do movimento na região de Campinas e suas particularidades.

Com ênfase na produção musical, o curta-metragem aborda desde a origem da “cena” regional até os dias atuais. Assuntos como o auge e o declínio das casas de show, os novos meios de distribuição, a relação com o dinheiro e a predominância da música “cover” são alguns dos temas discutidos no filme.

Trailer – “Punk Roça: Música e Conflito no Interior”

Entre os entrevistados estão os músicos Carlos Lozano (Quasímodo Traça Jaguadarte e The Violentures), Daniel “Etê” Giometti (Muzzarelas e Drákula) e Quique Brown (Leptospirose) que compartilham histórias sobre o que significa ser punk em Campinas. O grupo ainda ouviu a opinião de especialistas, fãs e produtores culturais. Na trilha sonora, composta inteiramente por bandas da região, constam músicas de Coice de Mula, AQUëLES e Lucas Piro. O documentário tem 25 minutos de duração e foi concebido como projeto experimental da Faculdade de Jornalismo da PUC-Campinas.

A exibição tem início às 19h30 e a entrada é gratuita. O MIS Campinas funciona no Palácio dos Azulejos  na Rua Regente Feijó, 859 – Centro. Mais informações: (19) 3733-8800.

Confira o documentário na integra aqui!

Good Coffee!

Exposição “Em Obras” no MIS

Em comemoração ao aniversário da cidade, o Museu da Imagem e do Som de Campinas realiza a exposição “Em obras”, finalização do projeto “Digitalização da Secretaria Municipal de Obras”, patrocinado pelo FICC.
A mostra é composta por imagens de Campinas entre 1950 e 1960.
Na abertura, exibição do curta “Operação Viaduto: Demolições”, elaborado com material do acervo do MIS pela executora do projeto, Luana Bocchino.

Abertura dia 13 de julho, as 19h30
Exposição de 14 a 30 de julho

Local: Museu de Imagem e Som de Campinas
Rua Regente Feijó, 859

Fone: (19) 3733 8800

Good Coffee!