Conheça Golfo de Vizcaya (Entrevistamos Sylvio Scarpeline)

O ano de 2013 começou com uma grande surpresa vinda de Campinas/SP, a banda Golfo de Vizcaya, formada por integrantes e ex integrantes de bandas como Shame, Makazumba, Cardiac, Meia Lua e Soco, Slasher entre ontras, conta com uma sonoridade visceral, dissonante e cheia de personalidade.

Confira aqui um vídeo exclusivo da banda para o Café in Sônia e uma breve entrevista que realizamos com Sylvio Scarpeline, guitarrista e vocalista, que conta um pouco de como surgiu esse novo projeto.

gv

Como surgiu a ideia de formar o Golfo De Vizcaya?

Na verdade surgiu de um ensaio que não deu certo. Eu (Sylvio) junto ao Bruno e Laércio estávamos esperando os outros integrantes do “Meia Lua e Soco” chegarem, e eles não chegaram (risos) . Resolvemos então fazer um som para aproveitar o ensaio, e de repente estávamos compondo a musica “Eulina”. Daí para frente foi só achar um batera, que foi a parte mais difícil.

E o porquê do nome?

A principio estávamos com alguns nomes para aprovação, e o “Golfo de Vizcaya” era um nome que tinha agradado quase todos da banda. Procurando pelo Google achei a foto de um barco tirada no próprio golfo pelo fotografo Manuel Hérnandez, e nos acabamos gostando tanto da foto que não só adotamos o nome do local como também usamos a foto para capa de apresentação da nossa banda.

Quais são as principais influencias da banda?

Acho que todos nós escutamos muitas coisas. É difícil falar uma referencia porque até mesmo as bandas que mais gostamos não têm muito a ver com o Golfo. Eu particularmente acho que tem muito Smashing Pumpkins ali, mas um fã de SP pode falar que não consegue visualizar alguma influencia deles na banda. Mas algo que seguimos, e acredito que todos integrantes compartilham da mesma opinião, é seguir a proposta sonora de bandas como Sigur Rós e Pink Floyd. Talvez nem tanto o Taddei que entrou mais tarde na banda, mas os outros integrantes acredito que sigam a mesma ideia.

1

Há planos de um disco completo?

É um sonho acho que de toda banda, E a concretização de uma obra. single é legal, mas parece ser um quadro pintado pela metade sabe?!
Mas a musica “Eulina” deu muito trabalho para ser finalizada, então acredito que vamos manter lançando singles. No final vamos montar um Box com as faixas demos e alguns sons só com a parte instrumental para “vender”. Mas nada realmente definido

E shows? Quando vão começar a rolar?

Acredito que logo, estamos no momento criando mais musicas e é um processo bem demorado. Nosso objetivo é ter um repertório de uns 30 minutos, chegando nesse tempo já vamos tentar arrumar contatos para fazer show.

Como andam os demais projetos dos integrantes da banda? Cardiac, Meia Lua e Soco, Shame, outros…

Dos integrantes só dois tocam em outras bandas; o Taddei (Slasher) e o Bruno (Shame e A Fantástica Madame).
O Slasher esta para lançar o novo single deles que particularmente achei ANIMAL. E tanto o Shame como a Madame estão se preparando para entrar no estúdio e gravar um novo CD.

Impossível não relembrar do Makazumba, banda local que você integrou na primeira metade dos anos 2000. Por onde andam os integrantes? Não há chance de um show de reunião da banda?

Acho que não, o Danilo (Biro) mudou de pais, o Guilherme (Hits) faz faculdade em outra cidade, o Guilherme (Vocal) mora hoje na cidade de Paulina, por Campinas mesmo só eu e o Humberto.
Mas eu hoje não tenho esse desejo de tocar. Talvez aconteça, mas muito difícil falar.

Vídeo promo “Golfo de Vizcaya”

E seu trabalho com produção e gravação de bandas? Conte um pouco sobre ele.

Trabalhei dois anos no estúdio do Ricardo Piccoli e não tive experiência melhor. Aprendi muita coisa, principalmente dentro da gravação. Aprendi muito com as bandas, as ruins e as boas, todas tinham algo para passar e acrescentar sem falsidade. Gravei diversas bandas da região que infelizmente não tenho mais contato. E acredite o cliente da música é o pessoal mais bacana de se trabalhar, porque aquilo ali para muitos é um sonho, e você percebe a empolgação misturada com a ansiedade que eles transmitem.
Infelizmente o Piccoli mudou de pais e eu acabei deixando o estúdio. Hoje eu só estou pegando alguns trabalhos de edição de áudio e gravando projetos pessoais. Mas aqui em campinas tem estúdios muito bons. A música “Eulina” foi gravada no estúdio do Mario Porto em Barão Geraldo e no Sincopa, eu recomendo os dois sem sombra de duvida.
Mas espero voltar a trabalhar com áudio em um estúdio. E só para não deixar passar queria agradecer o Fernando Quesada, ele me ensinou quase tudo que sei sobre áudio, foi um cara que me ajudou muito.

Fora a música você também atua na área de produção áudio visual, certo?

É o que eu estou focando no momento, a minha formação foi em cinema. Mas estou retomando esse tempo que parei para estudar áudio, então estou pegando alguns projetos pequenos para trabalhar. Esse mês mesmo vou gravar o clipe de uma banda que chama “Sonora”, vai ficar bem bacana.

Como você vê a cena local atualmente em relação a shows, bandas e casas destinadas a música independente?

Olha sinceramente estou um pouco por fora, o motivo é simples: as bandas novas não me atraem (com exceções). Simplesmente porque eu não sinto ali que eles estão fazendo um som porque gostam disso, e sim estão lá porque eles querem colocar nas suas redes sociais que tem uma banda! No estúdio mesmo tinha banda que cada mês gravava uma música de um estilo diferente…
E as casas de show só tem rolado cover. Não vejo problema em cover porque alguns eu vou, mas sabe quando você fica olhando a banda tocar e pensando: Tá legal, mas me mostra algo novo… Só que isso não é culpa da banda, ou da casa de show, ou do publico, e sim de diversos fatores que acredito, mas não falarei aqui porque iria prolongar muito a resposta.
Mas comparado com antigamente a estrutura é bem melhor, ridiculamente melhor. Mas hardcore é hardcore, e o que gostamos é ir no “Quintal do Gordo” e fazer um show com muito esforço de todos, principalmente dos organizadores! (e acredite, era muito bom, não existe ironia no que falo).
Só que o lance é que quem organiza os eventos de hardcore muitas vezes faz pela paixão, e para mim falta juntar a paixão com o negocio, ou seja, ele tem que ganhar grana para fazer o evento. O organizador precisa ganhar para pagar as bandas e pagar seu trabalho. Só que isso esbarra no gasto do aluguel de equipamento e até mesmo do próprio lugar. O Brasil não é o país do rock e muito menos do hardcore, acho que falta então um acordo melhor entre as partes envolvidas (dono da casa de shows, organizador e banda) para todos saírem ganhando. Mas tudo é um sonho.
Tudo é discutível e eu posso estar velho demais (risos). E só para deixar claro tudo isso é sobre a cena de campinas, de outras localidades só quem é da cidade para saber.

2

Quais bandas você poderia citar como destaque atualmente na cena de Campinas?

Com certeza Slasher , Blue Barrel, Thriven, uma que nunca mais ouvi falar que é Teatro Asfalto, AQUëLES!… Tem outras que não vou me lembrar, mas essas bandas são as que eu gosto, o som me agrada. Mas tem outras bandas de destaque que tem um som de altíssima qualidade como o Lisabi, Huaska, Drákula, Cardiac e entre outras.

Espaço para você falar o que quiser.

Queria agradecer três pessoas, A Ricardo Piccoli que foi quem mixou e martirizou a música “Eulina”; A Danilo (Biro) que compôs quase que toda a batera da música; e Gustavo Lima por me ajudar no período da finalização da música.

Good Coffee!

Documentário “Autorock – Sexta Edição”

A produtora Sinistro Studio disponibilizou essa semana via YouTube o documentário “Autorock – Sexta Edição”.

O vídeo com cerca de 60 min conta como foi edição de 2011 do “Festival Autorock”, tradicional festival destinado a cultura independente realizado anualmente na  cidade de Campinas/SP.

Confira o vídeo na integra abaixo!

 

Good Coffee!

Autorock 2011: Como chegar!

Confira abaixo como chegar nos shows, exposições e mostras do Festival Autorock 2011!

Click na imagem para ampliar!

Good Coffee!

Programação Autorock 2011

Foi divulgado nesta terça-feira (08/11), a programação da sexta edição do Festival Autorock, evento dedicado a cultura independente realizado anualmente na cidade de Campinas/SP.

Esse ano além das inumeras atrações músicais o festival também irá contar com exibições de vídeos, exposições e oficinas.

Confira abaixo a programação* detalhada do festival:

AUTOROCK 2011

01/12 – Quinta Feira

19:00h – Abertura das exposição:

“Peitas e Pranchas” – Uma coleção de camisetas e skates. Do clássico ao obscuro.

Oficina: Silkscreen / Stickers – Coletivo SHN.

Show com a banda: Violentures (acústico) – Campinas – SP

Discotecagem: Pice Love Crazy

Local: Galeria DisORder – Av. General Osório, 1565 – Cambuí

(Entrada franca)

22:00h – Lançamento da revista PREGO #5

Show com as bandas:

Get Crazy – Campinas/SP

Merda – Vila Velha/ES

Local: O Bar do Zé – Av. Albino JB de Oliveira, 1325 – Barão Geraldo

(Entrada: r$10,00)

Merda

02/12 – Sexta Feira

22:00h – Riva Rock apresenta:

Paulo Gazela Blues Band – Campinas/SP – Lançamento do CD “Singin’ Good Old Songs With Good Old Friends”.

Local: O Bar do Zé – Av. Albino JB de Oliveira, 1325 – Barão Geraldo

(Entrada: r$13,00)

03/12 – Sábado

17:00h – Exposição de caricaturas:

“ Bluseiros”  –  De Fabiano Carriero e Bira Dantas.

Show com: Dokery Duo – Campinas/SP

Local: Carriero Estúdio – Av. Barão de Itapura, 2043 – Guanabara

(Entrada franca)

22:00h – Show com as bandas:

Lisabi – Campinas/SP

Bomb The Music Industry – U.S.A

Local: O Bar do Zé – Av. Albino JB de Oliveira, 1325 – Barão Geraldo

(Entrada: r$15,00)

Lisabi

04/12 – Domingo

16:00h – Show com as bandas:

Dirty Kicks – Campinas/SP

Mobydick – Campinas/SP

Mezcla – Campinas/SP

Zumbi Radioativo – Americana – SP

Véia Banguela – Campinas/SP

Alcoóis – Campinas/SP

K.R.H (Kruel Realidad Humana) – Colombia

Local: Praça Integração – Rua João Paulo Segundo, s/n – Padre Anchieta.

(Entrada franca)

06/12 – Terça Feira

19:00h – Exibição dos videos:

“Wassup Rockers” – Dir. Larry Clark – 2005

“Suburbia” – Dir. Penelope Spheeris – 1983

Local: Museu da Imagem e do Som de Campinas – MIS – Rua Regente Feijó, 869 – Centro

(Entrada franca)

20:30h – Show com as bandas:

Tina Thunder – Sorocaba/SP

Atmosfera Lunar – Franca/SP

Local: O Bar do Zé – Av. Albino JB de Oliveira, 1325 – Barão Geraldo

(Entrada: r$7,00)

Wander Wildner

07/12 – Quarta Feira

19:00h – Exibição dos videos:

“Cólera em Campnas” – Dir. Chopsuey Discos – 2011

“Metal Revenge” – 1988

Local: Museu da Imagem e do Som de Campinas – MIS – Rua Regente Feijó, 869 – Centro

(Entrada franca)

20:30h – Show com a banda:

Barolichacon – Campinas/SP

Local: O Bar do Zé – Av. Albino JB de Oliveira, 1325 – Barão Geraldo

(Entrada: r$7,00)

22:00h – Show com as bandas:

Kamala – Campinas/SP

Blue Barrel – Campinas/SP

Thriven – Campinas/SP

Local: Sebastian Bar – Rua Dona Maria Umbelina Couto, 79 – Guanabara

(Entrada: r$8,00)

08/12 – Quinta Feira

19:00h – Exibição dos videos:

“Get Crazy” – Dir. Allan Arkush – 1983

“Rock n’ Roll High School” – Dir. Allan Arkush – 1979

Local: Museu da Imagem e do Som de Campinas – MIS – Rua Regente Feijó, 869 – Centro

(Entrada franca)

22:00h – Show com as bandas:

O Inimigo – São Paulo/SP – Lançamento do CD “Imaginário Absoluto”

AQUëLES! – Campinas/SP

Local: O Bar do Zé – Av. Albino JB de Oliveira, 1325 – Barão Geraldo

(Entrada: r$10,00)

O Inimigo

09/12 – Sexta Feira

19:00h exibição dos videos:

“Morte e Morte de Johnny Zombie” – Dir. Gabriel Carneiro – 14’

“Estranha” – Dir. Joel Caetano – 13’

“Instantâneo” – Dir. Pedro Ribaneto – 20’

“O Hóspede” – Dir. Ramon Porto Mota e Anacã Agra – 17’

“1:21” – Dir. Adriana Câmara – 11’

Local: Museu da Imagem e do Som de Campinas – MIS – Rua Regente Feijó, 869 – Centro

(Entrada franca)

21:00h – Show com as bandas:

Test – São Paulo/SP

Hutt – São Paulo/SP

Slag – Paulinia/SP

Mortage – Campinas/SP

Executer – Amparo/SP

Local: WoodStock Music Bar – Rua Erasmo Braga, 06 – Bomfim

(Entrada: r$15,00)

22:00h – Kitnet apresenta: Rockones

Show com as bandas:

Shake Heartbreak – Campinas/SP

Footstep Surf Band – Campinas/SP

Local: O Bar do Zé – Av. Albino JB de Oliveira, 1325 – Barão Geraldo

(Entrada: r$12,00)

Get Crazy

10/12 – Sábado

22:00h – Show com as bandas:

Simon Chainsaw – Austrália

Drákula – Campinas/SP – Lançamento do 7′ EP “Vilipêndio a Cadáver”.

Local: O Bar do Zé – Av. Albino JB de Oliveira, 1325 – Barão Geraldo

(Entrada: r$12,00)

11/12 – Domingo

15:00 – Oficina:

Silkscreen / Stickers – Coletivo SHN.

16:00h – Show com as bandas:

Prole – Americana/SP

La Bataria – Campinas/SP

Cobras – Sorocaba/SP

Lo Fi – São José dos Campos/SP

Forgotten Boys – São Paulo/SP – Lançamento do novo álbum “Taste it”.

Wander Wildner – Porto Alegre/RS

Garage Fuzz – Santos/SP

Local: Estação Cultura – Praça Mal. Floriano Peixoto s/n – Centro

(Entrada franca)

*Programação sujeita a alterações.

Maiores informações: ChopSuey Discos – Fone: (19) 3236 0792

Good Coffee!