“Mais Uma Madrugada Fria” busca financiamento colaborativo.

Em um quarto de hotel barato no centro da cidade, dois assassinos de aluguel se enfrentam psicologicamente, duelando com palavras afiadas e histórias duvidosa, esse é o enredo do curta-metragem neo-noir “Mais Uma Madrugada Fria” do diretor Eduardo Basile. Baseado em uma história em quadrinhos independente, o filme nos apresenta um submundo alternativo, com personagens que lembram uma versão moderna de faroeste, onde para sobreviver não basta ser o mais forte, mas principalmente ser o mais esperto.

O curta, contemplado no FICC (Fundo de Investimento Culturais de Campinas) e que será rodado entre as cidades de Campinas e Paulínia, também busca apoio financeiro via Catarse, um dos mais famosos e importantes sites de financiamento colaborativo do Brasil.

Click aqui e conheça mais sobre o projeto e como apoio-o.

mais uma madrugada fria

Links:
Catarse: http://www.catarse.me/madrugadafria
Blog: http://www.maisumamadrugadafria.blogspot.com.br
Facebook: http://www.facebook.com/maisumamadrugadafria

Apoie o cinema nacional.

Good Coffee!

Drakula, Motor City Madness e Camarones Orquestra Guitarrística se apresentam em Campinas

No próximo domingo, dia 12/04, a Trashcan Records e a Chopsuey Discos apresentam no Quintal do Gordo em Campinas/SP o show das bandas Motor City Madness de Porto Alegre/RS, Camarones Orquestra Guitarrística de Natal/RN e da local Drakula.

A banda de Porto Alegre excursiona por São Paulo neste fim de semana apresentando músicas de seu novo disco, “Dead City Riot”, que contém 11 faixas embaladas em rouquidão, riffs certeiros, graves precisos e batidas nervosas. O Camarones volta a se tocar na cidade (depois de ser uma das principais atrações do Festival Autorock 2014) também apresentando seu novo trabalho ‎”Rytmus Alucynantis‬“. A banda, que está em turnê nacional, voltou recentemente de “una gira” pela Espanha. (confira aqui o diário de bordo dessa tour).

A apresentação, que ainda conta com a discotecagem especial de Daniel Etê (Muzzarelas), está marcada para ter inicio as 16 horas. Entrada única R$ 13,00.
Para maiores informações click aqui.

cartaz

Good Coffee!

Festival Rock Radical chega a Campinas com muita música e skate

No próximo sábado (28/03) a Lagoa do Capivari, popularmente conhecida como Lagoa do Mingone, será o palco do Festival Rock Radical, edição de Campinas/SP.

Após o sucesso do evento que aconteceu na capital paulista no final do ano passado, onde mais de 10.000 pessoas lotaram o Vale do Anhangabaú, o festival chega a cidade apresentando as bandas Fistt (Jundiaí/SP), Drakula (Campinas/SP), H.I.T. (São Paulo/SP) e Perturba (Jundiaí/SP), além de um campeonato de skate. Tudo com entrada franca.

rock radicalO festival conta com o apoio da Prefeitura Municipal de Campinas e da loja disORder. “Trata-se de um evento muito empolgante para todos aqueles que curtem a cultura do skate na região. Unir a música ao esporte é a melhor forma de prestigiar esta cultura que cada vez cresce mais no Brasil”, afirma Claudio Henrique proprietário da loja disORder.

Sobre o campeonato

O campeonato será em um formato que é uma novidade no Brasil. Trata-se do Skate Fight. Os participantes serão divididos em chaves e se enfrentam em formato eliminatório (mata-mata) até a grande final. Os quatro finalistas ganharão premiação e material de skate.

Para aqueles que tiverem interesse em participar do torneio basta dirigir-se ao local do evento com um documento original com foto e se inscrever. É gratuito a todos. Para menores entre 16 e 18 anos, é necessário a presença de um maior responsável.

Para saber mais sobre o campeonato e seu regulamento click aqui.

Confira abaixo como foi a edição de São Paulo.

Good Coffee!

Comedores de Lixo lança clipe de “Alianças do Medo”

Texto: Talita Bristotti.

O grupo Comedores de Lixo lançou o clipe de “Alianças do Medo”, música que faz parte do disco “Aos Mortos” (2012) – o primeiro registro oficial da banda. Formada por Lawrence (vocal), Roninho (guitarra), Marcel (baixo) e Beto (bateria), a banda de João Pessoa/PB surgiu em 1996.

promoO clipe de “Alianças do Medo” foi lançado no Dia das Mulheres e trata sobre a violência doméstica pela ótica de três mulheres, que sofrem com a vergonha da agressão. Thuany Azevedo, integrante da banda de hardcore feminista Noskill, participa do clipe, que tem direção e roteiro de Pedro Galiza, realização da Recheio Digital e produção da Uhoo! Filmes. Confira o resultado abaixo.

Good Coffee!

“Oficina Cultural Hilda Hilst fechará as portas em abril”

Matéria publicada originalmente no site da RAC no dia 21/03/2015 por Delma Medeiros

A Oficina Cultural Hilda Hilst (OCHH), unidade da Secretaria de Estado da Cultura gerenciada pela organização social (OS) Poiesis – Instituto de Apoio à Cultura, à Língua e à Literatura, vai fechar as portas. A entidade, que funciona na Rua Ferreira Penteado, no Centro, será desativada no final de abril e três dos quatro funcionários serão dispensados. Apenas o coordenador, Fábio Luchiari, será mantido e atuará como assessor da Oficina Cultural Carlos Gomes, de Limeira, que se encarregará de gerenciar as atividades da região de Campinas. Oficialmente, a OCHH completa dez anos em 12 de abril, mas efetivamente está em atividade desde 2000, oferecendo oficinas, cursos, palestras e workshops nas áreas de artes cênicas, visuais, comunicação, moda, design, cultura digital, gestão cultural, literatura, marketing, patrimônio cultural e música. De acordo com a Secretaria de Estado da Cultura, o serviço está sendo “reestruturado” e todas as atividades serão mantidas.

OC-Hilda-Hilst_Divulgacao1No total, seis unidades de Oficinas Culturais serão fechadas no Estado pela Poiesis — Campinas, Araçatuba, Araraquara, São João da Boa Vista, Bauru e São Paulo — e absorvidas por outras instituições. “A difusão de atividades para outros municípios das regiões antes atendidas pelas sedes citadas será mantida, no mesmo modelo de parceria com as prefeituras”, afirma a nota oficial da Secretaria. “A OCHH será desativada, mas as programações culturais de Campinas e região serão mantidas por meio de parcerias, gerenciadas pela unidade de Limeira, que contará com a assessoria do atual coordenador da unidade de Campinas”, informou a Poiesis.

“A reestruturação foi definida pela Poiesis, organização social responsável pela gestão do programa Oficinas Culturais, em função da readequação do orçamento estadual, seguindo diretriz de qualificação dos gastos e otimização dos recursos”, informam a Secretaria e a OS. Segundo a nota da Secretaria, “a medida implicará em economia dos valores de aluguel, manutenção e serviços dos prédios desativados, que serão revertidos para a programação cultural”. A Poiesis afirma que todos os projetos artísticos selecionados “seguirão como parte da programação, que tem horizonte trimestral”. Para o 2º trimestre do ano, a OCHH prevê a realização de 17 oficinas, sendo 13 em Campinas e quatro em cidades abrangidas pela unidade.

Apesar da afirmativa de que as atividades não serão prejudicadas, instrutores e participantes das oficinas veem a medida com apreensão. “É uma pena, as oficinas em Campinas sempre têm grande demanda. Estranho Campinas ser absorvida por Limeira, o contrário seria mais razoável. Lamento muito saber disso”, afirma o produtor cultural Reginaldo Menegazzo, que já ministrou várias oficinas de gestão cultural na OCHH, sempre com vagas esgotadas.

“Absurdo, a cidade já tem tão poucos espaços e serviços nesse sentido. É uma perda para quem fornece e para quem quer receber a formação. As oficinas permitem que a população seja protagonista do processo, não faz sentido fechar a unidade e restringir o acesso da população”, diz Estela Tozetti, participante de oficina.

Para o produtor cultural Cabeto Rocker, que iniciou a atividade em Campinas juntamente com o também produtor Marcos Kaloy, a medida é “uma vergonha”. Para ele, como cidade sede da Região Metropolitana (RMC), Campinas tinha de manter a unidade e até ampliar a área de atuação. “O movimento cultural vem perdendo força em Campinas. Sem cultura, Campinas corre o risco de virar uma cidade dormitório. Esta é uma grande perda, uma tristeza.” Em 2014, a Oficina Cultural Hilda Hilst atendeu 1.412 pessoas.

Contrato

O contrato firmado entre a Secretaria de Estado da Cultura e a Poiesis para gerenciamento do programa Oficina Cultural estabelece um repasse de R$ 134 milhões para desenvolvimento das oficinas até 2018. Pelo contrato, para o exercício de 2015, a estimativa de repasse à organização social é de R$ 24 milhões. Já a Poiesis informa que o plano de trabalho ajustado com a Secretaria para 2015 prevê o repasse de R$ 19 milhões, a serem gastos na programação cultural, pessoal e custeio.

Petição

Alguns usuários e apoiadores da Oficina Cultural Hilda Hilst criaram uma petição on line para impedir seu fechamento. Click aqui para assinar a petição em apoio a um dos centros culturais mais importantes dos últimos anos em Campinas/SP.

Good Coffee!

Documentário “Viva Viva” é laçando em DVD no Brasil

Viva Viva é um documentário experimental dirigido por Carolina Pfister sobre punks, identidade e a experiência urbana de São Paulo. Em 2013 o filme foi lançado em festivais de cinema nos Estados Unidos e na Cinemateca de São Paulo, além de rodar diversos festivais de cinema pelo Brasil. Foi recentemente lançado em DVD pela produtora do CBGB Music & Film Festival de New York e será distribuído no Brasil pela Ideal Shop. Em Abril começa a ser vendido pela Alternative Tentacles, do lendário vocalista da banda Dead Kennedys, Jello Biafra, além da Amazon Estados Unidos, onde já pode ser assistido via streaming.

dvdcover_viva_vivaCom trilha sonora que conta com Objeto Amarelo, do artista Carlos Issa, e Retórica, do músico Ian Dolabella, Viva Viva é um recorte singular da filosofia punk, “e um retrato dessa cidade que amo e odeio e que tanto me inspirou” diz a diretora. O documentário revisita cenas do filme “Punks” de 1983 (Sarah Yakni e Alberto Gieco) traçando um paralelo entre as realidades não tão distintas dos punks de hoje.

Viva Viva traz uma nova perspectiva sobre o movimento mais de três décadas depois, através de personagens conhecidos e desconhecidos no cenário punk de São Paulo, e bandas como Ratos de Porão, Inocentes, Dominatrix, Cólera, I Shot Cyrus entre muitas outras.

O documentário

Viva Viva foi filmado pela diretora Carolina Pfister entre os anos de 2003 e 2005, com cinematografia adicional de Pierre de Kerchove e assistência de produção de Pedro Carvalho, Kel Figueiredo e Richard Pfister.

Depois das fitas quase se perderem com o furacão Katrina, quando morava em New Orleans, e em um incêndio florestal na Califórnia, seis anos se passaram antes que a diretora finalizasse o projeto. Turbulento do começo ao fim.

Como não poderia deixar de ser, Viva Viva é um testamento “DIY”, o faça-você-mesmo, que começou como sub cultura através do punk nos anos 1970. Primeiro, como método de organizar seus próprios shows e, mais tarde, como a autossuficiência de se completar qualquer projeto por si só. A ética DIY é a essência da ideologia punk, e como movimento de periferia que começou durante a ditadura, “o punk brasileiro é o faça-você-mesmo em sua expressão mais criativa” afirma a diretora, “uma filosofia que ainda influencia minha vida e produção.”


A diretora

Carolina Pfister, hoje radicada em Portland (EUA), deixou o Brasil para um mestrado em cinema experimental logo antes do ataque terrorista de 2001. Em meio a uma onda xenofóbica e um clima incerto, a diretora percebeu um desconhecimento em relação a experiência urbana além das fronteiras do “primeiro mundo”, e uma expectativa folclórica sobre sua produção artística como sul-americana.

Para fornecer um contraponto a uma perspectiva, que achava distorcida e limitada, Carolina buscou um retrato urbano sobre outra brasilidade, mas nem por isso menos autêntica. Em um país conhecido por uma tradição musical fora do rock, o punk trouxe uma expressão catártica mais próxima às realidades urbanas.

Conheça duas gerações que moldam uma cultural global dissidente e criam a trilha do caos urbano. Sob o concreto de São Paulo, os punks nos convidam a abrir os olhos. Viva Viva!

Good Coffee!

Nova Odessa promove 1º Festival Grito Rock

Texto: Talita Bristotti.

A cidade de Nova Odessa, na região de Campinas/SP, participa pela primeira vez do circuito oficial do Grito Rock. O festival será promovido no dia 12 de abril, de forma gratuita, na Praça José Gazzeta, na região central da cidade, a partir das 9h. A organização fica por conta do Folclore, projeto de fotografia de Robson Afonso.

grito rockSerão 12 horas de festival e a programação, que contempla música, arte, dança, teatro e fotografia, ainda está sendo definida pela organização. “Não existe evento que dê qualquer visibilidade aos artistas autorais de Nova Odessa. Desde que me lembro, a cidade é muito carente na área da cultura”, avalia Robson. “O Grito Rock é um evento com grandes dimensões e queremos fazer a cidade entrar neste circuito também, além de fomentar a cultura de Nova Odessa”, disse Robson.

Na parte musical, segundo a organização, estão confirmados grupos como Vitex, Roots Favela, Hurry up, Noarf, Ragar, La Makina, Espiral 8 e Eletro Doméstico e também shows acústicos do Meu Ano Fantasma, Bruno Menega e Caravana Delas.

O Folclore

O Folcore é um projeto pessoal de fotografia de Robson Afonso, que tem como objetivo principal mostrar a cena underground da região de Campinas. O projeto faz parte de uma rede de colaboradores de um selo chamado Gabiru Records, que visam criar uma rede de ajuda coletiva e de fomentação do rock autoral.

Para maiores informações sobre o 1º Grito Rock de Nova Odessa click aqui.

Good Coffee!

Ratos de Porão lança videoclipe de “Prenúncio de Treta”

A banda Ratos de Porão lançou no último dia 15/03 o videoclipe da música “Prenúncio de Treta”, presente em recente disco “Século Sinistro”. O vídeo produzido pela Pier 66 Films e filmado no Centro Cultural Zapata, contou com direção e fotografia de Plínio Scambora e roteiro de João Gordo. Confira aqui o resultado!

ratos de porão

Good Coffee!